Em 22/04/2015
 

Escuta-se com o quê?

Então, o que é a escuta? Escuta-se com o que? Danilo Goulart pergunta-nos e se questiona o que é escutar. Psiquo de hoje!


Escuta-se com o quê?

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Um dos temas mais falados e debatidos nas áreas de pesquisa e conhecimento humano, principalmente nas chamadas áreas “psi”, é o que me proponho a discutir nesse texto: a escuta.

 

Então, o que é a escuta?

 

Exponho uma dificuldade em se definir tal conceito, entretanto, a meu ver, o que posso dizer, é que sinteticamente a escuta é um instrumento de contato, é um instrumento de trabalho que possibilita conhecer o outro e, por que não, a nós mesmos.

 

Mas, a questão que rodeia meus pensamentos é outra: escuta-se com o que?

 

Acredito que a escuta analítica não é feita apenas pelos ouvidos e me atrevo a dizer que esse seja talvez apenas mais um órgão de percepção dos sentidos que seria um integrante do instrumento do qual vos falo, mas não o único e talvez nem mesmo o principal.

 

Mas, para que possamos perceber qual o sentido do momento vivido, devemos nos “desligar” da escuta do ouvido e escutar com todo o nosso corpo, com todo o nosso ser, com tudo o que somos naquele momento, no determinado espaço-tempo fomentado pelo presente.

 

Muitos falam em linguagem corporal, comunicação não-verbal.

 

Devemos estar dispostos a viver o tal momento que nos chega de forma “livre”, nos propondo à criação de um novo canal para a experimentação e transformação, pela caminhada ao novo.

 

Alguns perguntam: e aí? Eu vou trabalhar com o que?

 

Tudo o que posso dizer é: não podemos saber até que surja!

 

Precisamos conhecer os nossos próprios meios, o nosso próprio ser, pois a partir dele é que conhecemos os outros e o que está ao nosso redor.

 

Às vezes nos comunicamos através de palavras, outras através do olhar, ou do cheiro, por gesto e até por outras, sendo elas diretas ou indiretas. Precisamos então estar abertos ao que nos chega, valorizando tanto o que nos chama mais atenção, quanto o que não, o tema principal, mas também as tais comumente desconsideradas “bobagens sem sentido”.

Se nos propusermos a focar na escuta do ouvido, ou somente nos nossos sistemas sensórios ou senso-perceptivos podemos perder a imensa quantidade de informações que nos sãopassadas de outras formas, até as que nós mesmos queremos nos dizer.

 

Não deveríamos então sucumbir ao não saber, devemos, ao contrário, abraçá-lo. Não sabemos como tal conhecimento nos chegará, ou qual o sentido da conjectura que poderemos formar, e talvez ficaremos como o náufrago sem remos, à espera do vento que virá a soprar, mas com paciência, e auto-continência, ele virá.

 

Lembro-me de uma pequena história:

 

Era noite. Chovia violentamente pelas ruas da cidade. Em uma dessas ruas frias havia uma mulher vagando, que chorava o choro de uma angústia que esmagava seu peito. O choro expõe somente sua dor em seu caminho, até que surge uma voz ao longe que diz:

 

S- por que chora, minha senhora? Qual o sentido da dor, que está tão sofridamente a expor?

 

M- estou perdida, não sei para onde ir, nem sei se um dia, encontrarei um caminho que me faça sorrir. – responde a mulher.

 

Então o sujeito da voz, num canto escuro onde a mulher não o via, fala:

 

S- Acredito que esteja no caminho certo pelo incerto. Chegará ao lugar não dito.

 

Causando uma grande confusão na mulher que repentinamente para de chorar e pergunta:

 

M- Não entendo! O que faço?

 

S- Não sei o que fazer. Mas posso te dizer que essa é a melhor maneira de se chegar a um lugar onde nunca se esteve. – a voz conclui.

 

Retornamos à escuta.

 

A escuta, a meu ver, é assim, talvez além dela, a vida.

 

Suportaremos então a angústia do não saber para que nos aproximemos ao que tange a relação no momento presente, aqui e agora.

 

E então, se escuta com o que?

 

Olhos, ouvidos, boca, nariz, pele? Também!

 

Mas ouso pensar que escutamos com cada célula de nosso corpo, com cada componente delas, com cada átomo e cada partícula subatômica, apenas não tivemos a chance de perceber, ou talvez possamos ter perdido a capacidade para tal.

 

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo

Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,

Que, para ouvi-las, muita vez desperto

E abro as janelas, pálido de espanto...

 

E conversamos toda a noite, enquanto

A via-láctea, como um pálio aberto,

Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,

Inda as procuro pelo céu deserto.

 

Direis agora: "Tresloucado amigo!

Que conversas com elas? Que sentido

Tem o que dizem, quando estão contigo?"

 

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!

Pois só quem ama pode ter ouvido

Capaz de ouvir e de entender estrelas."

 

(Olavo Bilac, 1888)

 

 

Danilo Gama Goulart

Psicólogo CRP 19/2692 e

Coordenador do Projeto Psicanálise e Cinema do NPA

daniloggoulart@hotmail.com

data de publicação: 21/04/2015

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+