Em 30/09/2014
 

Você também acha que o tempo já vivido foi o melhor?

Vivemos, predominantemente, entre a memória do tempo que passou e a fantasia sobre o tempo que virá. Confira o que Iara Wiehe fala sobre o tempo.


Você também acha que o tempo já vivido foi o melhor?

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

“Meia noite em Paris!”, anuncia um sino de uma igreja no filme de mesmo nome, dirigido por Wood Allen (2011). A partir desse momento o artista nos convida a refletir através desta ficção sobre nossas vidas, durante uma experiência fantástica em que o personagem principal viaja no tempo e volta à Paris dos anos 20.

 

Utilizarei algumas questões abordadas neste filme para refletir sobre a queixa comum de algumas pessoas que lamentam sobre o tempo que já passou. Como se lá, no passado, tivesse havido um momento pleno que hoje não há mais.

 

O filme traz, num ritmo acelerado, inúmeras informações acerca de evoluções científicas e culturais, com intelectuais talentosos, obras primas e lugares pitorescos que vão dando uma dimensão de nossa pequenez humana, da dificuldade que temos de registrar tudo o que se passa, dentro e fora de nossas mentes. O tempo das cenas é real, veloz e furtivo. Escorre pelas mãos e pela apreensão.

 

 Mas o que é tempo?

 

No sentido estrito, tempo é um intervalo ou período de duração entre dois pontos, o início e o fim. Isso permite a ordenação de presente, passado e futuro.

 

E psiquicamente falando, quanto tempo o tempo tem?

 

Quanto dura a felicidade? E a dor? Quanto tempo levamos para aceitar o nascimento de alguém? E a morte do outro? Estamos falando do tempo de elaboração, aquele que varia para cada indivíduo; o que é medido subjetivamente. Podemos expandir essa ideia a outros tipos de nascimentos e mortes ao longo da vida. Passamos por diversos períodos, diferentes experiências e vários acontecimentos. Os classificamos em presente, passado e futuro, numa tentativa de ordenar o caos interno. Lá, tudo se mistura a ponto de uma lembrança e a ideia sobre esta terem os seus limites pouco delineados, confundindo-se uma com a outra. Transformamos realidades em versões particulares que carregamos secretamente como “nossas verdades”; que são nada mais que construções ficcionais próprias. Filmes em que somos nós os diretores.

 

 O presente é puro, límpido, mas fugaz! É a experiência emocional em si. Vivemos, predominantemente, entre a memória do tempo que passou e a fantasia sobre o tempo que virá. Quanto ao primeiro, tentamos retê-lo o mais possível. Com relação ao segundo, buscamos onipotentemente, prevê-lo, controlá-lo. Buscamos antecipá-lo em nossas mentes. Quem sabe, tentando evitar surpresas desagradáveis?

 

Como a memória, que não é fidedigna, a fantasia tampouco o é! Ambas se mesclam, confusamente. A tentativa de apreensão do tempo é vã e repleta de interferências, como as emoções. A sensação de que as vivências passadas pertencem a um tempo perfeito é tão falsa e ingênua quanto as ilusões sobre um futuro exato. Passado e futuro em sua pureza, são intocáveis, inatingíveis. Entretanto, interferem e norteiam nossas relações com o espremido presente.

 

O personagem do filme, Gil, é um obcecado por um tempo que já passou e que fantasia que lá estaria o verdadeiro prazer em viver, a máxima possibilidade criativa, a tal felicidade suprema que procura, desesperadamente. Questiona-se sobre sua escolha e capacidade profissionais, sua eleição amorosa, a cidade predileta, a música preferida... Tanto que denominou de “a idade do ouro” este tempo que idealiza, aludindo à “Era do ouro”, expressão advinda da mitologia grega, que se refere a um tempo do início da humanidade, supostamente percebido como ideal, utópico, quando o Homem era puro e imortal. Esse ambiente idílico, imaginado por diversos artistas chama-se Arcádia.

 

Como mencionei, comumente ouvimos pessoas re-clamarem por um passado onde supostamente reinaria a paz e a felicidade absolutas. Talvez clamando pelo retorno ao “reino intrauterino”, onde quem sabe, não tenha havido frustração. Lá, pelo menos, enquanto éramos imaturos e totalmente dependentes, não tínhamos a noção da total vulnerabilidade e desamparo em que viveríamos, intrínsecos ao ser humano.

 

No filme, Gil escreve um romance que se passa numa loja retrô, chamada “Fuga ao passado.” Simbolicamente, parece buscar fugir da realidade atual que lhe frustra, rumo a um lugar e tempo que idealiza. Entretanto, num profundo e sofrido diálogo interno, conclui sabiamente que sua capacidade criativa não depende do lugar ou tempo em que está, assim como suas possibilidades de escolha ou sua probabilidade de ser feliz.

 

Mas então, a felicidade hoje, depende de quê?

 

Acredito, tal como o personagem propõe, que depende inicialmente de admitirmos a necessidade de mudança. Não para outro tempo. Mas para outra perspectiva. É necessário viver sendo quem se é hoje. Deixar-se fruir sem censura. Libertar-se do previsível e deixar-se levar pela imaginação.  Pode-se romper com o status quo e reconhecer as insatisfações atuais, reconsiderando o rumo das escolhas. Mas, jamais deixar de reconhecer e preservar o que há de bom no presente ou em qualquer tempo! Enfim, como nos ensina o diretor do filme: é preciso enfrentar a mudança como quem “encara uma fera de frente”.

 

Talvez, por vezes, seja necessário visitarmos o passado, em nossa Arcádia particular, segura, pacífica...idealizada. Mas apenas para nos reabastecermos e não ficarmos aprisionados lá.

 

Viver o presente e a felicidade imediata de forma desesperada, conforme propõe o filósofo André Comte-Sponville, é o que nos ajuda a alcançarmos a felicidade de forma real e não ideal.  Recomenda viver total e intensamente a felicidade daquilo que se desejou e se alcançou. Daquilo que existe. E não daquilo que imaginamos. (Sponville, 2001).

 

E o presente? Efêmero! O presente é tudo o que temos. Ou ouvimos o sino interior que nos remete à reflexão, ou poderá ser tarde demais.

 

 

Iara  Lucchese Wiehe

Psicóloga,

Presidente da Associação dos Candidatos da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

iarawiehe@terra.com.br

data de publicação: 30/09/2014

 

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 30/09/2014 às 08:58

Prezada Iara..LUCCHESE....Italo-Brasileira-Alemã..? Pelos sobrenomes, parece; eu pelo sobrenome, ITALIANISSIMO, morando em Aracaju/Sergipe desde 1995. Belo texto, muito profundo, que faz pensar...Que bom que ainda podemos fazer isso, independentemente de Google e Whatsapp....!!!!!!!! Assisti inúmeras vezes o filme por ti citado e achei simplesmente único, como quase todos os filmes de Woody Allen. E achei interessante duas tuas perguntas: O QUE È O TEMPO e QUANTO TEMPO TEM O TEMPO? Santo Agostino, afirmava de saber o que fosse o TEMPO até o momento que alguém perguntasse isso; no mesmo momento da pergunta, ele, Santo Agostino, não sabia cosa fosse este "tempo". Enquanto, mais tarde, Einstein, divide o tempo em Tempo Físico e Tempo Psiquico. O Tempo Fisico é aquele mundialmente convencional, 24 horas por dia, 1 hora de aula, 60 minutos, etc. etc. etc. Este tempo é sempre crescente, não para, menos ainda volta!!!!!! O Tempo psiquico, é aquele que a nossa mente/corpo, vive; de fato, basta comparar um tempo na sala de espera de um médico( por ordem de chegada e nós somos os 5º......)E o tempo que passamos com a pessoa amada, seja marido, filho, ou Amigos.....Parece que este tempo "voa baixo".... Passado...Presente....Futuro.....Se o Passado não existe mais porque PASSADO e o Futuro não existe ainda porque ainda não veio, como pode o Presente existir entre duas coisas que não existem? Recentemente, pegando emprestadas as palavras de um escritor Italiano, concordei com : O PASSADO É A NOSSA LEMBRANÇA, O FUTURO È A NOSSA ESPERANÇA. Fácil então as pessoas, frequentemente, "reclamar" do Passado, mas nunca do Futuro. Poder consertar, se é que podemos, algo que foi, vivemos, sentimos, é sempre mais"simples" de algo que não conhecemos(Futuro), mas que deve ser ainda vivido e no mesmo momento que será vivido, de FUturo, passerá a Passado....... Felicidade,Tristeza, Alegria, Choro, são momentos que vivemos, e então, Passado/Futuro intercambiandom-se sempre. Presente....SAUDADE e esta palavrá é tipica brasileira, de fato, SAUDADE SE SENTE, não se TEM..... Cordialmente. Sergio Buonamassa obs; buonamassasergioitalia@gmail.com caso quisesses replicar de forma privada.
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+