Em 11/02/2014
 

Help us get our feet back on the ground

A violência nossa de cada dia é o tema central das reflexões de Adalberto Goulart no PsiQuo desta semana. Assassinatos e o aumento da violência refletem a sociedade narcisista e de consumo em que vivemos afirma ele


Help us get our feet back on the ground

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui

 

Recentemente recebi um e-mail de um amigo de infância e adolescência, que não vejo há muito tempo. Amigo daqueles tempos em que o próprio tempo não importava. Tempo em que os vínculos afetivos eram tricotados em tramas tão firmes e seguras que passados 30 anos sem nos vermos continuamos com a mesma sensação e convicção de amizade. É amigo e pronto, coisa talvez um pouco difícil de compreender para os leitores mais jovens, nascidos já no mundo multimídia, globalizado.

 

É inquestionável o benefício que o avanço tecnológico e científico trouxe para a vida humana nestes tempos de pós-modernidade, especialmente no campo da medicina, da engenharia genética e da comunicação ultra-rápida. Em relação a esta última, o problema é que a mente humana não suporta funcionar neste compasso. Nossas almas necessitam de tempo para receber, elaborar, armazenar, trocar, firmar vínculos afetivos sólidos, seguros e confiáveis. Necessitam da verdade como alimento para se desenvolver, coisa que se dissolve diante dos limites borrados e pouco precisos em que a realidade virtual se confunde com a realidade concreta. Pode-se “viver” uma vida de ficção como se fosse real, posso construir ou destruir sem nenhuma culpa ou constrangimento através da tela do meu computador ou do meu videogame. E, imerso no virtualismo desta condição, posso sair às ruas e já não mais distinguir a realidade concreta, em que o meu sentir, pensar e agir traz conseqüências e implica em responsabilidades.

 

Recentemente um pai de família foi assassinado em uma confusão de trânsito, na presença da esposa e do filho. Amarildos que desaparecem para nunca mais. Homofóbicos que violentamente se proliferam. São notícias como estas, que se repetem em proporções variáveis, a cada dia e em cada esquina de qualquer cidade, em qualquer parte deste nosso mundo contemporâneo, em que as diferenças são banalizadas e em que só há lugar para o primeiro, o vencedor, que nos deixam preocupados, atônitos, cada vez mais trancafiados nas grades dos nossos condomínios, na blindagem dos nossos carros, ensimesmados em nós mesmos.

 

Como todos nós já desconfiamos, grades não solucionam este problema que talvez seja o mais profundo que a humanidade já viveu. A violência destes nossos dias, ao tempo em que é produzida por nós mesmos, atinge-nos com o mesmo impacto no âmago das nossas intimidades individuais e no seio de nossas famílias super-protegidas e, inevitavelmente, super-expostas.

 

Se de um lado, como profissionais de saúde, assistimos diariamente à leva de pessoas esvaziadas que chegam ao nossos consultórios, por outro lado as famílias sofrem direta e inapelavelmente as conseqüências de tal situação. Hoje, as pessoas de uma mesma família mal se conhecem, todos apressados e pressionados pelo sistema a produzir e a se tornarem campeões. Perdeu-se a possibilidade de se conhecer verdadeiramente quem é o outro que divide conosco o mesmo espaço. Trabalhando mais e mais, os pais tentam suprir suas necessidades narcísicas e as necessidades de consumo dos membros da família, por sua vez pressionados pela cultura das academias, dos shoppingcenters e pela culpa dos pais ausentes. Assim, a família que já não se reconhece, se fragmenta. Ronda ainda o perigo maior da sedução pelas drogas, outro fracasso na ilusão de preencher os vazios da alma.

 

E quando não se suporta as diferenças, quando não se tolera as individualidades, quando não é possível se reconhecer no outro por não poder se reconhecer em si mesmo, mais violência é gerada. Violência que pode ser passiva, da indiferença, do desamparo e da solidão imposta. Ou ativa, com humilhações e agressões por parte de quem detém maior poder.

 

A nossa comunidade humana necessita urgentemente repensar seus valores, suas escolhas, os caminhos por onde segue. Afinal, a história atesta que somos criaturas culturais e que podemos construir civilizações fantásticas, mas que também somos os mais destrutivos dentre todos os animais. Comecemos por repensar a nós mesmos e às nossas famílias, proponho. Não temos tempo a perder.

 

Quanto ao e-mail do meu amigo que não vejo há 30 anos, trazia imagens multimídia, com ilustrações que lembram um pouco da nossa infância ocorrida há pouco mais de 3 décadas: de que saíamos de casa a qualquer hora, sem celular e ninguém se preocupava em saber onde estávamos; de que andávamos de bicicleta pela cidade em dias de chuva e ninguém adoecia por isso; de que despencávamos em ladeiras sentados em nossos carrinhos de rolemã, usando a sola do tênis como freio e no máximo ganhávamos alguns arranhões; e de que em lugar de videogames e computadores jogávamos bola de gude com os amigos; de que fazíamos todas as refeições com a família reunida; de que éramos considerados por todos, fossem quais fossem as diferenças; e por aí vai o e-mail do meu amigo, tendo os Beatles como fundo musical:

 

 

“Help me ifyoucanI'm feeling down

And I do appreciateyoubeing 'round

Help me getmyfeetbackontheground

Won'tyouplease, please, help me, help me, help me?”

 

Help! (Lennon &Mcartney)

 

 

 

Adalberto Goulart

 Membro Efetivo e Analista Didata IPA -   NPA/SPRPE

adalbertogoulart@uol.com.br

data de publicação: 11/02/2014

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 11/02/2014 às 05:22

Pois é...Cada dia que passa, está ocorrendo uma inversão( para pior) de valores com os quais, nós de "acima de 40 anos", crescemos, aprendemos a ser, respeitamos....Tinhamos AMIGOS!!! Verdade seja dita, a violência sempre fez parte da natureza humana, mas agora, perdemos o controle disso. Foi uma criança e um adolescente que brincava na rua, sem nunca ter sido atropelado, roubado, mas aprendi a fazer parte de um grupo..Grupo que hoje posso chamar de AMIGOS..Poucos fazem parte disso. E com certeza briguei, "troquei socos e tapas" e depois tornava-nós MAIS AMIGOS de antes....Hoje....A tecnologia faz chamar de AMIGO gente que não sabemos se realmente é aquela pessoa na foto( facebook, skype, etc. etc. etc.). O videogames, todos com violência e, pior, com "vidas" ..Quanto a VIDA é UMA SÒ!!!!! E ninguém gosta de perder, o mundo tem fome e sede de vingança, gosta de revidar e com gosto......Por que isso? Recentemente falei com uma pessoa sobre as ARTES( artes, não brigas) Marciais....O que se aprende praticando algo disso? Disciplina e o primeiro movimento que se aprende é CAIR.....Mas sempre se aprende a LEVANTAR novamente, cumprimentar que nós fez cair, quem nós ensinou a cair...E logo em seguida, esta mesma pessoa, estende a mão para ajudar a levantar...Coisa Linda isso!!!!!!! A queda, a derrota, não é só física; somos ofendidos, tarjados,etiquetados constantemente e não gostamos disso...Por que não podemos viver como cada um escolheu? Por que um beijo entre homens em uma telenovela, deve ser discutido? Por que uma cor diferente deve ser "comentada"? Concluo como disse um meu amigo: "corremos sem parar e sempre aumentando a velocidade da corrida..Sabendo que nunca chegaremos lá...Mas continuamos a correr...." Que pena.....Sendo AMIGO do autor do artigo, deixo aqui registrados os meus parabéns, pelo assunto, sempre magnificamente escrito com propriedade e, acima de tudo, SENSIBILIDADE. Abração AMIGO!!!!!!!!!
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+