Em 08/02/2020
 

Isso não é Psicanálise...

Para esta edição do PsiQuo, Polyana Oliveira escreve sobre "isso não é psicanálise"


Isso não é Psicanálise...

 

“Isso não é Psicanálise”. Essa foi uma afirmação... ou uma negação, que ouvi e que me provocou inquietações. E foi justamente a partir desses sentimentos inquietantes, que me ocorreu o emaranhado do pensar. Talvez, por causa dessa confusão que até então eu me deparo, as ideias possam soar como incompletas. Peço então que tenham paciência da minha incompletude, pois sem ela eu não teria feito este pequeno texto.

A cada dia me vejo mergulhada em um mar tortuoso de informações que me fazem questionar sobre o espaço da Psicanálise, enquanto teoria e prática, na nossa sociedade. Em um cenário de constante ataque aos direitos, de corte aos serviços públicos e de completa banalização da violência, pergunto-me se caberia a nós, que trabalhamos com Psicanálise, nos atermos aos muros dos nossos consultórios individuais.

Penso que os muros, ao mesmo tempo em que podem nos proteger, podem nos afastar do contato. É como uma defesa que recorremos diante de algo que julgamos como perigoso, e por isso formamos e sustentamos muros no decorrer dessa turbulenta caminhada que é a vida. Acredito que haja muito cimento e trabalho para podermos tapar alguns buracos que possam surgir na estrutura erguida em um solo tão incerto. Realmente não é um trabalho fácil a se fazer.

Escrevendo sobre muro, veio-me agora a lembrança de certo dia em que eu estava assistindo televisão. A reportagem mostrava um bombeiro falando sobre as recomendações de como escapar de uma corrente no mar. Enquanto o bombeiro falava, uma frase me chamou a atenção: nunca ir para o lado oposto ao da correnteza. Imagino que a sensação de quem está dentro de alguma correnteza não seja agradável, e que talvez a primeira ação seja a de fugir justamente para o lado contrário ao que assusta. Mas, como já dizia os mais velhos: “o mar é traiçoeiro”, e o que parece ser uma fuga... pode ser a nossa própria incursão.

Chegando agora ao final desse texto, pergunto: mas será que muro e mar são Psicanálise? Bem... acredito cada leitor tirará sua própria conclusão. Afinal, o curto percurso que fiz até aqui não é um ponto de chegada, mas um ponto de saída... de saída de correntezas, de muros, de certezas...  para que o nosso pensamento então ganhe horizontes que até então eram desconhecidos.

 

 

Polyana Santos de Oliveira

Psicóloga CRP 19/3315

Aluna do Curso de Psicoterapia do NPA

polyana.oliveira88@gmail.com

 

 

Coordenação: Danilo Goulart

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

TEMPOS MUDADOS 21/11/2019

Aldo Christiano para o Psicanálise e Quotidiano

Suicídio: do desespero à escuta 23/09/2019

Idete Zimerman Bizzi

Violência 29/05/2019

Para esta edição do PsiQuo, Sônia Soussumi escreve sobre a "violência".

TECENDO CONHECIMENTO 29/04/2019

Vânia Rocha traz suas impressões sobre o processo de construção do conhecimento.

Projeto Psicanálise e Cinema 22/04/2019

Um Novo Despertar

ESTRANHEZA 05/04/2019

Para esta edição do PsiQuo, Idete Zimerman escreve sobre a percepção da estranheza e os vários “tons de verdade”.
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+