Em 05/04/2019
 

ESTRANHEZA

Para esta edição do PsiQuo, Idete Zimerman escreve sobre a percepção da estranheza e os vários “tons de verdade”.


 

 

A cena de um filme marcou-me, pelo inusitado. A esposa entra no quarto do casal e vê o marido com uma desconhecida. Atordoada, vocifera insultos, descontrola-se enquanto ele, inalteradamente, senta-se na beirada da cama e começa a vestir-se. Desconforto e estranheza inundam-me. Ao final da cena, o marido, completamente trajado e ainda impassível aos protestos, dirige-se à sala para tomar café. Estão a sós. A esposa olha o entorno, nulo de indícios do sucedido, e cala.  Começa a duvidar do que viu. Serve-se, também, de café.

 

Transcorridos 55 anos da intervenção militar que perdurou por duas décadas no Brasil, embaçados tornam-se os fatos? Ouvem-se e publicam-se versões conflitantes. Em 1964, ocorreu, afinal, golpe militar e implantação de uma ditadura ou tratou-se de intervenção do exército com apoio popular? O país atravessava perigosa instabilidade, ameaçado de conflagração violenta, golpe da esquerda ou a vulnerabilidade dos cidadãos inaugurou-se como conseqüência da política abusiva e criminosa do governo militar?

 

Enquanto os meios de comunicação questionam se a intervenção de 1964 foi necessária e contou com suporte popular, adentra-se território delicado e controverso. Diversamente, porém, quando lê-se, como em recente artigo publicado em jornal de Porto Alegre, que “o período militar foi marcado por 20 anos de pleno emprego, segurança e respeito aos humanos direitos”, eu penso que estamos frente a um fenômeno de outra ordem que de um pluralismo democrático.

 

Como harmonizar tal assertiva, à semelhança a outras que se multiplicam quotidianamente na mídia formal, com os fatos apurados pela Comissão Nacional da Verdade, embasados em inúmeros testemunhos, documentos, fotografias, filmagens?

 

Como psicanalista, prezo profundamente as interpretações subjetivas e as verdades internas de cada um, e reconheço que o árduo caminho que leva ao crescimento emocional genuíno envolve o reconhecimento das verdades alheias e fatuais.

 

Entre o preto e o branco, reinam, sim, tonalidades de cinza, nem toda a história é feita só de mocinhos e bandidos, mas da anistia parece-me que nos encaminhamos, incautos, à negação de incontestes crimes, e já começamos a nos servir de café...

 

 

Idete Zimerman Bizzi

Psiquiatra

Psicanalista,

Membro da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre.

 

Coordenação: Danilo Goulart

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

TEMPOS MUDADOS 21/11/2019

Aldo Christiano para o Psicanálise e Quotidiano

Suicídio: do desespero à escuta 23/09/2019

Idete Zimerman Bizzi

Violência 29/05/2019

Para esta edição do PsiQuo, Sônia Soussumi escreve sobre a "violência".

TECENDO CONHECIMENTO 29/04/2019

Vânia Rocha traz suas impressões sobre o processo de construção do conhecimento.

Projeto Psicanálise e Cinema 22/04/2019

Um Novo Despertar

A AMPULHETA E O TEMPO 30/03/2019

'O momento presente e o constante movimento da vida' é a temática trazida por Artur Ranieri para o PsiQuo desta quinzena.
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+