Em 07/12/2017
 

O menino dos dedos de agasalho

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza


* As ideias e opiniões contidas no texto são de responsabilidade do autor, não refletindo necessariamente a opinião do NPA.
 
* Deseja imprimir o arquivo? Clique aqui.
 
O menino dos dedos de agasalho
 
No caminho, que estava longe de ser tão longo, para que eu pudesse chegar em casa, me deparei com um acontecimento que irei lhes contar cara(o), leitora(o). Quanta coisa passa desapercebida e quanta coisa é percebida na passagem dos trajetos que nos movimentamos.
 
Assim, descendo a ladeira da rodoviária nova, já não tão nova, num instante em que o sinal havia fechado, foi se aproximando silenciosa e lentamente, do carro que eu guiava, um garoto magrinho, de olhos cor de mel. Seu olhar me pedia aproximação, e logo tivera a minha resposta com um sorriso.
 
Qual o que?” Como diria Chico Buarque. A minha perplexidade chegara instantaneamente. Ao invés de correr para tirar a poeira do vidro da frente, começou a limpar o retrovisor (lugar geralmente esquecido dos limpadores de vidro de automóveis).
 
Iniciou a operação com zelo e bem cuidadosamente, tocava com seus dedos frágeis o espelho. Circulava a sua flanela amarela e desbotada, girando para um lado e para outro com toda calma do mundo. Agasalhava o tecido como quem agasalha a si mesmo, trazendo para ele próprio, o que dele foi retirado. Uma criança pertence ao mundo do brincar, em sua idade, o trabalho deveria lhe vir bem mais adiante.  
 
Na ocasião, me perguntava: -  com quem aquele menino aprendeu a ser tão delicado? -  Quem o ensinou a arte de não invadir o espaço do outro? -  Como ele conseguiu aprender que com um indício de leveza podemos nos contrapor à dureza do viver? -  Ou será que não foi preciso ensinamento de alguém? -  É um traço seu singular? 
 
O sinal não demora, a vida corre em fluxo convulso… Passou o vermelho, o amarelo e o verde abriu o rumo, devolvendo para mim que a furiosa existência possui a sua face suave. A face da espera, da tolerância e do respeito aos limites do outro. 
 
 Diante de forças pulsionais que regem nosso psiquismo Eros e Tânatos - podemos fazer sobressair o amor, o ódio, o comedimento, a voracidade, a construtividade, a destrutividade. Aquele garoto escolhe a via da afabilidade – o caminho construtivo por onde podemos nos afeiçoar e nos vincular ao outro. 
 
Queria encontrar aquele pequeno, de dedos de agasalho, para agradecer a beleza do seu gesto, um gesto que move o cotidiano, esse lugar onde parece que tudo é rotina e não é.  É exatamente ele, o cotidiano que se veste de surpresas, de mistérios e de inquietudes na proximidade das coisas circundantes, isso, o cotidiano somos todos nós costumeiramente. É nele, o que há de mais agudo de descobrir.  
 
Cristina de Macedo
Candidata em Formação Psicanalítica - NPM/SPRPE
Psicóloga, Psicoterapeuta
Mestre em Estudos literários pela UFAL
cristinac.demacedo@gmail.com
2 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Adalberto em 07/12/2017 às 13:11

Belo texto, Cristina!
postado por Adalberto em 07/12/2017 às 13:11

Belo texto, Cristina!
 

Leia também

O monstro demasiadamente humano 30/11/2017

Texto escrito pelo psicólogo Rafael Santos, derivado de artigo publicado na Revista Psicanálise & Barroco (volume 15, 2017)

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+