Em 07/02/2017
 

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes


* As ideias e opiniões contidas no texto são de responsabilidade do autor, não refletindo necessariamente a opinião do NPA.
 
Gostaria de armazenar ou imprimir o texto? Clique aqui.
 
Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 
 
Três crianças balançam o corpo ao ritmo de um som que não é reproduzido no vídeo. Estão uniformizadas. Parecem fazer parte de um grupo de torcedores em algum evento esportivo, provavelmente apoiam o time da escola. Podem ter oito, nove, não mais que doze anos. Alguém assiste as imagens e vê a oportunidade de usá-las para alguma diversão, então compartilha o vídeo com uma legenda dedicada a cada uma delas: a primeira teria tomado meia dúzia de cervejas. O menino ao lado, chacoalhando a cabeça com olhar perdido, doze cervejas e seis “shots”. Outro mirava bem fixo o horizonte: esse ingeriu drogas.
 
Não chega a causar espanto que haja quem faça uso desse vídeo para tirar uma graça com a espontaneidade alheia. Sempre houve, sempre haverá a necessidade de projetar o ridículo, de rir do tropeço do vizinho. Estão aí os palhaços de profissão a sobreviver da penúria universal. Mas já temo que em breve eles terão de procurar outra ocupação. Ou ainda restarão os que se dispõe a pagar entrada para o circo com tanta chacota grátis via smartphone?
 
Algo me espanta? Me espanta a intensidade do compartilhamento. Me espanta receber em três diferentes grupos o mesmo vídeo-sucesso: ao final de algumas imagens de um barco com lindas meninas dançando de biquíni, a montagem com o pré-escolar diagnosticando: “tudo puta”. O menino na certa já é famoso em seu círculo social. Tenho a lembrança dele sendo inserido ao final de pelo menos um outro vídeo em que ele descobria por onde andavam as mulheres da vida. 
 
Na realidade, me incomodam até mesmo os vídeos de crianças em condições um pouco menos degradantes: as que são flagradas na intimidade do choro, as que brigam com a mãe pelo amor do pai, as que caem da bicicleta, as que observam a loira posando pra selfie na frente do espelho, as que dão de nariz no pudim.
 
Compartilho uma breve experiência empírica: tendo sido eu tomado de uma espécie de consciência social, me pus a digitar uma mensagem que reproduzi nos grupos em que aparecia a imagem do menino “voz da experiência”. “Gosto muito de rir das brincadeiras que circulam nos grupos, mas acho que não devemos compartilhar aquelas que expõem crianças”. Devo ter botado água no chope: silêncio total e absoluto. Deveria já saber: grupos de whatsapp existem por uma infinidade de motivos e finalidades. Em alguns deles, proteger a infância não está entre eles. Ingênuo, alguém já disse, é aquele que descobre depois.
 
Se há algum conflito entre os princípios de beneficência e autonomia, devo ser mais inclinado por esse último: me parecem com frequência impróprias até mesmo as imagens em momentos de gracejos. (Gostaria o senhor bebê de ter sua queridíssima imagem compartilhada por lares e aparelhos aleatoriamente distribuídos pelo planeta ou optaria vossa meninicência por manter seu bilu tetéia sob domínio restrito do papai, da mamãe e da vovó?). E nesse debate, não vejo necessário nem mesmo incluir possíveis danos futuros de auto-imagem, o estímulo ao exibicionismo e à pseudo-maturidade. Prefiro considerar que o adulto é o guardião da intimidade da criança. Há leis de sobra que tratam desse compromisso com a infância. Sinto falta é de uma lei que garanta o cumprimento da lei.
 
Peço então ajuda a Donald Winnicott e ele me fornece no texto Segurança, publicado em A família e o desenvolvimento individual: “É necessário que se edifique, no interior de cada criança, a crença em algo que não seja apenas bom, mas que seja também confiável e durável”. Winnicott está atento “ao papel da sociedade em relação a nós”. 
 
E se eu tivesse usado as palavras do próprio Winnicott -  “sem uma confiabilidade ambiental mínima, o crescimento pessoal da criança desenrola-se com distorções”, teria tido mais chance em convencer alguém? 
 
Nossa sorte é chegar o mês de dezembro. E, com ele, as imagens e o sons de youtube.com/watch?v=Cs4G-TD8w8A. Sugiro assistir. E compartilhar.
 
Fábio Brodacz
Psiquiatra 
Membro aspirante da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza

O monstro demasiadamente humano 30/11/2017

Texto escrito pelo psicólogo Rafael Santos, derivado de artigo publicado na Revista Psicanálise & Barroco (volume 15, 2017)
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+