Em 04/07/2016
 

À Horacio

Adalberto Goulart homenageia o psicanalista argentino Etchegoyen, falecido no dia 2 de Julho de 2016

Na foto, o psicanalista Ricardo Horacio Etchegoyen
Na foto, o psicanalista Ricardo Horacio Etchegoyen
À Horacio
 
Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.
 
Conheci Ricardo Horacio Etchegoyen em um Congresso Brasileiro de Psicanálise, lá pelos anos 90, se não me falha a memória, em um dos elevadores do Hotel Glória, Rio de Janeiro, no Congresso de 1993.
 
Era um senhor de 74 anos, cabelos e bigodes grisalhos, impecável em seu terno argentino, descíamos de nossos apartamentos para a solenidade de abertura do evento. Na minha curiosidade de analista em formação à época, tendo seu livro Fundamentos da Técnica como parte da bibliografia de estudo e sendo ele o presidente da IPA, não pude deixar de reconhecê-lo.
 
Horacio era sério, com um certo ar dramático, próprio de sua cultura, um homem pequeno, magro e parecia-me inquieto. Arrisquei um “boa noite” formal. O professor respondeu de pronto e abriu um discreto sorriso. Puxou conversa, perguntando se eu iria ao Congresso e se já nos conhecíamos. Adquiri o seu livro recentemente, disse, para estudos da formação. Contei-lhe que era de Aracaju, fazendo formação em Recife. 
 
Dirigíamos já ao salão da solenidade e, a caminho, pudemos trocar algumas palavras ainda. Simpático, afável, mostrou-se interessado em saber da minha experiência sendo o único em formação psicanalítica pela IPA em minha cidade na ocasião. 
 
Contou-me rapidamente de sua experiência como analista pioneiro em Mendoza e das muitas dificuldades enfrentadas por ele naquela condição, tendo que se dedicar a várias atividades ao mesmo tempo, aulas, análises, supervisões, precisando conviver com analisandos em diversas situações, inclusive sociais, residindo em uma cidade pequena: “No es bueno, no es lo ideal, pero lo que es posible en una situación como esta, en la condición de pionero. Es un gran desafío, prepárese, mi amigo”.
 
Jamais esqueci aquele encontro, aquelas palavras, embora, naquele momento, me faltasse a experiência que só me veio depois, com os anos.
 
Nascido em 13 de janeiro de 1919, médico psiquiatra pela Faculdade de Medicina de La Plata, na provincia de Buenos Aires, casado com Élida Pieri, teve três filhos, Laura, Alberto e Alicia. Iniciou sua primeira análise pessoal com Rascovisky, interrompida após um ano e meio. Sua segunda análise, com Heinrich Racker, durou cerca de sete anos e deixou marcas profundas em seu desenvolvimento como psicanalista.
 
Realizou sua formação analítica pela Associação Psicanalítica Argentina e em 1957 ingressou como professor de psiquiatria na Faculdade de Medicina de Mendoza, plantando as sementes da futura e atual Sociedade Psicanalítica de Mendoza.
 
Viajou a Londres em 1966, com uma bolsa de estudos, tendo trabalhado na Tavistock Clinic, quando realizou uma nova experiencia de análise pessoal com Donald Meltzer. Retornou a Buenos Aires, sendo um dos fundadores da Associação Psicanalítica de Buenos Aires e seu primeiro presidente.
 
Tendo ocupado diversos cargos em instituições psicanalíticas na Argentina e na FEPAL, Etchegoyen foi o primeiro latinoamericano a exercer a presidência da IPA, entre os anos 1991-1993, com uma gestão democrática e interessada no desenvolvimento de novos grupos.
 
Horacio nos deixa neste 2016, aos 97 anos, a responsabilidade de cuidar de seu legado científico, político, humanitário e de desenvolvê-lo, enfrentando novos desafios. 
 
Hora de descansar, presidente, de voltar para casa.
 
Adalberto A. Goulart
Membro Titular e Didata da SPRPE
Presidente do NPA e do IPFR AB Ferrari/Brasil

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Tereza Cristina Monte Alegre em 04/07/2016 às 18:41

Em um raro segundo desses que o acaso nos proporciona e que você teve a felicidade de vivê - lo. E, que bom que foi persistente.
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+