Em 11/08/2015
 

Quando o termo imigrante é usado como um eufemismo para exilado

A Psicóloga Ana Joaquina observa o desencontro do Nordeste com os nordestinos, através de pessoas que saem e não podem retornar. Confira!


Quando o termo imigrante é usado como um eufemismo para exilado

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

“Sou de Alagoas, cheguei aqui ainda mocinha, construí família, tenho filhos, netos... mas sinto muita saudade de minha terra, tenho a esperança de um dia poder voltar... Dê lembranças lá para Sergipe, Alagoas. Eu espero em Deus poder voltar,” revelou uma nordestina de meia idade que sobrevive a 30 anos na cidade de São Paulo. Esse encontro foi um dos mais marcantes, talvez porque nessa fala a tristeza predominava e a esperança de voltar para o Nordeste parecia desaparecer.

 

Esse foi um desabafo, entre tantos que ocorreram na cidade de São Paulo, julho de 2014, em um passeio permeado por encontros vividos aleatoriamente, em locais diversos, como ao tomar um cafezinho na padaria, ao visitar feirinhas de artesanato nas praças, conversas com trabalhadores do hotel... Alguns poucos encontros, mas que se tornaram muitos por apresentarem um sofrer único e comum a cada expressão, a cada fala. Muitos por se mostrarem ali, bem perto, uma realidade doída de tantos e falsamente longínqua. Uma realidade triste, do desencontro do nordeste com os nordestinos. E nesses breves encontros, o pedido de lembrança deles para o nordeste é lembrado sempre.

 

Sempre e a cada notícia sobre São Paulo. Sempre e a cada notícia sobre os povos africanos, os asiáticos expulsos de suas moradas, sobrevivendo a deriva tentando encontrar um lugar no mundo. Lembrança e associação sempre e a cada informação sobre povos de terra que expulsa gente.  Associação que ficou tão presente ao ler o livro, Tortura e Exílio, dos autores psicanalistas Maren e Marcelo Viñar, ao perceber sentimentos semelhantes dos exilados do regime ditatorial com os demonstrados por esses nordestinos. 

 

Os aspectos psíquicos como as fantasias, sentimentos de tristeza, angústia, nostalgia... trazidos nos relatos do livro se mostraram tão  presentes nessas conversas. Realidades de épocas distantes, mas se igualam na comum condição de vidas desterradas, vidas com o desejo de retornar sabendo não poder. Estavam ali, nesses encontros, os exilados do regime democrático, onde o exílio e tortura se dão pela situação sócio-econômica desfavorável, causando sofrimento de maneira diferente, mas dolorosa como foi e como é. Nestes exilados de agora, o carrasco é a precariedade da vida na terra de nascimento, gerada na maioria das vezes por fatores que vão da corrupção a passividade, do individualismo a sujeição, tornando o exílio em algo permanente, já que a terra que expulsou não consegue acolher depois de trinta, quarenta anos...

 

Diante de realidades tão frustrantes, a fantasia psíquica - com suas funções de defesa em situação dolorosa e realização parcial de desejo - se faz tão presente. No fantasiar o que foi deixado/retirado assume uma beleza antes não vista, uma beleza que de tão bela leva a nostalgia. E por meio da fantasia o nordeste vive com o exilado nordestino pelo sotaque, arrasta o nordeste para não se perder. E arrastando o nordeste/sotaque, confessa: “Faço questão de arrastar meu sotaque, isso ninguém tira de mim. Eu arrasto mesmo. Uma coisa é vim para cá por querer e outra vim por necessidade”. E assim, o sotaque permiti o contato com o nordeste mesmo distante e na fantasia o desterro não se completa.

 

E a partir desses encontros o termo migração, suscitando movimento/escolha, passa ser uma representação muito distante da realidade desses nordestinos, um eufemismo para vidas desterradas.

 

 

Ana Joaquina Freire

Psicóloga CRP 19/2763,

Aluna do curso de Psicoterapia Psicanalítica do NPA

joaquinafreire@bol.com.br

data de publicação: 11/08/2015

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A Piada do Palhaço 18/06/2018

18 de Junho de 2018

ESSA TAL FELICIDADE 12/04/2018

Helena Pinho de Sá contribui com o psiquo com reflexões sobre a saude, felicidade e o tédio. Existe uma receita para ser feliz?

A parte que lhes cabe deste latifúndio 21/03/2018

O primeiro texto do ano são reflexões acerca da violência, política, sociedade, da condição humana. Qual o valor de uma vida? Somos todos Marielle?

Um ano mais 20/12/2017

O presidente do NPA, Adalberto Goulart, faz um balanço do ano de 2017

O menino dos dedos de agasalho 07/12/2017

Do fluxo do cotidiano, Cristina de Macedo extrai uma cena de beleza e delicadeza

O monstro demasiadamente humano 30/11/2017

Texto escrito pelo psicólogo Rafael Santos, derivado de artigo publicado na Revista Psicanálise & Barroco (volume 15, 2017)
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+