Em 04/08/2015
 

Sobre a vida nas palavras

Rafael reflete sobre os caminhos da singularidade através da palavra, em um cotidiano marcado pela mecanização e a velocidade. Confira!


Sobre a vida nas palavras

 

Quer Imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Uma das passagens do escritor Raduan Nassar dizia que “o tempo é o nosso melhor alimento”. Além disso, o mesmo autor falava das palavras como sementes. De tempo e de palavra, será que estamos privados disso em um cotidiano que incita a velocidade e a superficialidade? A fala aqui é entendida como singularidade, exercício da diferença. A rapidez do mundo contemporâneo e sua exigência constante por desempenho, por outro lado, muitas vezes incita palavras descartáveis e automatizadas.

 

É preciso apenas alguns minutos na rua para sermos inundados de palavras: dos outdoors que tentam nos convencer, às milhares de notícias e compartilhamentos em profusão apitando no celular, às palavras secas trocadas com comerciantes, bancários, colegas de repartição. O ruído do excesso pode impedir que a gente se escute e escute ao outro. Assim, a palavra morta da fala dessubjetivada e robotizada pode ser tão ou mais nociva quanto o que não é verbalizado.  O retorno da vida da palavra, do contrário, nos traz a uma pergunta essencial, como na poesia de Cecília Meireles: “Que é que dentro de ti és tu?”.

 

Revestir a palavra de afeto – no sentido daquilo que nos toca, de alguma maneira - passa pela esfera da humanização. A linguagem expressa o íntimo ao sujeito em um laço social e coletivo.  Também não é de confissão que a fala subjetivada trata, mas sim do exercício constante da criatividade e da singularidade. Poder criar uma fala viva – ou de viver a palavra? - é uma possibilidade de desalienação, de tocar os afetos, sustentar nossos desejos e medos.

 

A fala contém uma falta: a ferida de não ser a tradução daquilo que sentimos. Por outro lado, aquilo que não se completa nem se fecha traz consigo a possibilidade de criação. Por não corresponder a uma real tradução, ela se potencializa. Assim, falar também é ação, pois algo na dimensão do novo surge. Um grito de dor, por exemplo, é pleno em afeto e catarse, no entanto, falar sobre essa dor pode constituir em novas elaborações para esse sofrimento.

 

Importante mencionar ainda que o silêncio também diz algo. A clínica psicanalítica traz o silêncio como um personagem importante em cena. Há silêncios que gritam, que calam, que resistem, que apontam, entre outros infinitos silêncios. Falar da vida na palavra não é sobre falar mais nem falar menos, pois os silêncios também pertencem à nossa dimensão subjetiva.

 

É preciso, portanto, pensar de que maneira a atualidade nega ou reduz a singularidade em um cotidiano marcado pela reprodução, o excesso e a mecanização, o que nos leva a trazer ao palco a importância da fala e da palavra, assim como do silêncio e da escuta, para que possamos criar, recriar, viver e reviver a nós próprios e aos outros.

 

Rafael Santos Barboza

Estudante de Psicologia /

Aluno do curso de Psicoterapia Psicanalítica do NPA

santosbrafael@gmail.com

data de publicação: 04/08/2015

2 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Adalberto em 04/08/2015 às 12:03

Excelente, Rafael, parabéns pela reflexão mais que oportuna!Parabéns pela escrita, pela palavra!
postado por Dani em 04/08/2015 às 14:46

Muito bonito o texto, Rafa! (lembra de quando você analisava os meus? =) Em especial essa frase: "A fala contém uma falta: a ferida de não ser a tradução daquilo que sentimos. " Esse curso está te fazendo muito bem!! Abraço
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+