Em 22/07/2015
 

Divertida e criativaMENTE

A autora usa Divertida Mente( Inside Out) ( novo filme de animação da Pixar) para nos falar de emoções e sentimentos e a criação de um espaço mental que possa acolhe-los. (Publicado no Jornal da Cidade dia 19 e 20 de julho de 2015)


Divertida e criativaMENTE

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui¹

 

 

Em um comentário atribuído ao cineasta italiano Federico Fellini ele nos diz que "o cinema utiliza a linguagem dos sonhos; anos podem se passar em um segundo e você pode saltar de um lugar para outro. É uma linguagem feita de imagem. E, no cinema de verdade, cada objeto e cada luz significam alguma coisa, como em um sonho.”

 

Divertida Mente é o mais novo filme de animação da Pixar. É um ótimo filme e um sonho bom.

 

 Nele acompanhamos a história de Riley , uma pré-adolescente de 11 anos, alegre e sem preocupações. Tudo parece estável, seguro, permanentemente alegre. A mente de Riley é comandada pela Alegria que tenta afastar do comando seus "companheiros"- emoções Medo, Raiva, Nojinho e principalmente a Tristeza.

 

Tudo parece mudar quando seu pai aceita uma oferta de emprego em outra cidade e Riley tem que deixar para trás sua cidade natal, amigos, lembranças. Suas emoções se confundem e a Alegria começa a ter trabalho extra para manter a Raiva, o Medo sob "controle" e "aprisionando e afastando" a Tristeza afinal, ela é incômoda, inútil. Seu objetivo é manter Riley sempre feliz.

 

Algo parecido com o que encontramos em nossos consultórios. Mas será isso possível? Sabemos que não.

 

A primeira cena do filme nos mostra o nascimento de Riley. Um primeiro plano dos olhos de Riley se abrindo e captando as primeiras imagens do mundo e de seus pais que a admiram e a recebem com amor; corte para a mente de Riley e vemos as emoções aparecendo, tomando forma na sua mente. Alegria, Medo, Raiva, Tristeza, Nojinho. Vemos uma sequência que, da percepção sensorial vai a emoção, a um registro, uma significação, um armazenamento como, memória e base para o aprender com a experiência. A base para o pensar. Algo que me faz lembrar a hipótese de Armando Ferrari.

 

Ferrari nos diz que a mente surge para dar conta das sensações e emoções intensas que surgem com o nascimento. O corpo (aquele corpo) surge assim como o primeiro objeto da mente (daquela mente) e com toda a fisicidade que nos torna aquele homem ou aquela mulher único(a) com um corpo e uma mente própria, única. Junto com esse processo temos a mãe (e a sua mente), que com sua importante função de reverie dá forma, favorece a metabolização das experiências da criança.

 

 Essa criança - corpo objeto concreto - vai se relacionar com essa mente em uma relação vertical onde a mente contém, dá forma, significa as emoções e sensações ao tempo em que se inicia uma relação horizontal entre a criança- -mundo exterior – mãe.

 

Cada experiência da personagem é armazenada na mente como traço de memória e algumas se transformam em Memórias Base uma espécie de Ilhas de Lembranças -Família , Amizade, Ética, Macaquices (brincadeiras e lembranças infantis) e que na concepção da Alegria "definem a Riley". Algumas lembranças "perigosas" vão para o subconsciente, "um lugar de difícil acesso".

 

O titulo original do filme é Inside Out - de dentro para fora. Riley é uma pré- adolescente num difícil diálogo com suas próprias emoções e sentimentos tentando lidar com mudanças externas.

 

Se no nascimento é a mente que se impõe ao corpo dando continência, "esfriando" e significando as emoções e sensações, na adolescência um corpo em transformação se impõe a mente como um corpo estranho. As emoções e sensações se tornam confusas e desarmônicas, e a mente precisa acolher de volta, reconhecer e significar esse novo corpo restabelecendo uma unidade, um diálogo harmônico, dando espaço para as transformações, desconstruções. Para a construção de um espaço mental.

 

 Nessa travessia Riley tem que lidar com suas emoções dissociadas, Raiva, Medo, Alegria, Tristeza - e com todas as transformações e frustrações do mundo externo, um ambiente hostil e desconhecido, e lidar com a solidão, a tristeza que insiste em aparecer a contragosto da Alegria, a Raiva, o Medo. Se refugia em memórias antigas, no amigo imaginário – o lindo e fofo Elefantinho de Algodão Doce, que pouco a pouco vão desaparecendo para dar lugar e espaço para novas memórias, novos amigos, novas experiências num constante aprender com a experiência necessária em todo crescimento. Quando finalmente a Tristeza pode ocupar seu lugar, integrada a todas as emoções num avançar para a posição depressiva Riley amplia suas experiências, cria um espaço mental que pode, agora, acolher a Riley que caminha para a adolescência.

 

Adolescência? O que é isso? Se pergunta a mente ao contemplar as mudanças e um novo painel que aparece no novo espaço. Bom, issojá é uma outra história.

 

 

Ana Rita Menezes da Silva de Pineyro

Psiquiatra, Postulante a formação psicanalítica pela Sociedade Psicanalítica do Recife.

anaritamenezessp@gmail.com

¹Materia publicada no Jornal da cidade nos dias 19 e 20 de julho de 2015. (Texto original da publicação no jornal)

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

O Mistério do Espelho 30/06/2014

A apreensão da realidade psíquica em Guimarães Rosa

Na corda bamba da vida 06/06/2014

A busca por um ser integral, que funciona biopsicossocialmente buscando seu equilíbrio ou homeostase, este é o tema do artigo de Petruska Menezes na Biblioteca virtual do NPA de hoje.

O Fazer Analítico - Notas Introdutórias ao Congresso 11/04/2014

O Núcleo Psicanalítico de Aracaju está participando nos dias 09, 10, 11 de maio de 2014, Encontro: o Fazer Analítico, Congresso organizado pelo Istituto de Psicoanalitico di Formazione e Ricerca "Aramando B. Ferrari", em Roma - Itália.

Perversões: a falta do encontro 29/03/2014

[...] talvez pudesse ser dito que a perversão, como a beleza, está no olho do espectador. Não há dúvida de que a principal “zona erógena” da humanidade está localizada na mente (MCDOUGALL)

Uma Leitura Psicanalítica da Dependência Química 21/03/2014

No mais novo artigo da Biblioteca Virtual, Tânia Oliveira procura demonstrar como podemos compreender e atender um paciente dependente químico, por meio da psicanálise, levando em conta suas especificidades.

A sexualidade na relação materno-infantil 14/03/2014

Nesse texto a autora mostra de uma forma muito clara e de fácil compreensão tudo o que se observa na construção do bebê em sua relação com a mãe mostrando a beleza e os percalços deste encontro.
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+