Em 21/07/2015
 

Buracos na calçada e os tropeços da vida

Pensando sobre a irregularidade da vida e das calçadas, Ana Rita Menezes escreve o psiquo desta semana.


Buracos na calçada e os tropeços da vida

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher
Diz que está me esperando pro jantar
E me beija com a boca de café

Todo dia eu só penso em poder parar
Meio dia eu só penso em dizer não
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão

(Cotidiano- Chico Buarque)

 


Andando por uma calçada, de repente, um desnível , um buraco, uma torção, uma fratura.

 

"Mas como isso pode acontecer? Como não me dei conta ? Sempre passei por aqui, a calçada é a mesma "...

 

Será?

 

Passamos grande parte da nossa vida repetindo gestos automáticos.  Acordamos,  levantamos, tomamos café,  subimos ao carro em direção ao trabalho, reclamamos do trânsito, trabalhamos.  Ao final do dia subimos de volta ao carro, conduzimos a casa, assistimos a televisão e voltamos a dormir.

 

Não pensamos. Repetimos.

 

Até que uma pedra fora de lugar na calçada nos faz tropeçar , nos quebra e nos obriga a  pensar nos tropeços da vida. Uma pedra fora de lugar ou qualquer evento que nos faça parar. Pensar sobre a nossa condição humana.

 

Assim é a vida. Cheia de imprevistos, tropeços, fraturas. Cada dia , cada hora cada minuto "tropeçamos" com novas "informações". E o que fazemos com elas ?

 

O automatismo vai  em um  movimento contrario a Vida. Está impregnado de Pulsão Morte. Nos aprisiona , Repetimos para não mudar. Mas mudar significa crescer, sentir e suportar "as dores do crescimento". Apreender e aprender com as experiências, com os tropeços, nas calçadas e na vida.

 

Minha mente começa a divagar e lembro das Baleias Jubarte. Assim como outras espécies de baleias, a jubarte realiza uma migração anual . Durante o verão elas se dirigem as águas polares para se alimentar e durante o inverno migram para águas tropicais para acasalar e dar a luz .O maior berço reprodutivo esta no litoral da Bahia, em Abrolhos (Praia do Forte).

 

Elas chegam por volta de junho/julho e permanecem ate novembro e dezembro, quando retornam as águas geladas da Antártida.

 

Mas vocês devem estar se perguntando. O que tem a ver baleias jubarte, tropeços na calçada, pulsão vida?

 

Penso que, assim como as Jubarte, iniciamos diariamente  uma viagem rodeada de perigos, alegrias, novos caminhos. Mas sobretudo uma viagem desconhecida. Enfrentamos desafios, rotas desconhecidas,  surpresas inesperadas  e tropeços na calçada.

 

Como as Jubartes, podemos encalhar durante a viagem e com ajuda voltar ao mar e seguir viagem, desbravando novos caminhos, agora talvez, um pouco mais cuidadosos e atentos. Outros sucumbem, não conseguem ser ajudadas. Encalham e interrompem a viagem.

 

Todos os dias  empreendemos uma nova viagem, desbravando novos mares e caminhos, no constante movimento  que caracteriza a Vida.

 

Minha memória me traz de volta um tempo onde vivíamos cada momento como se fosse único. O amanhã era o hoje e o tempo tinha uma outra dimensão.

 

"Olha a hora de dormir que amanhã tem escola" escutava minha mãe repetir noite após noite. Mas não me importava, o amanhã era algo que ainda não existia, queria saber se ia parar de chover para continuar brincando fora de casa. Existia o hoje, e vivíamos livres. Com a mente e o corpo unidos de forma harmônica.

Crescemos e esquecemos de viver o hoje, o dia como se fosse único.  Algo que era parte de nós acabou esquecido com o passar dos anos.  Obrigações, expectativas, futuros, metas levam nossa mente para longe do nosso corpo  esquecendo que o único tempo possível de ser vivido é o aqui e agora. O tempo presente. Passado e futuro podem ser excelentes rotas de fuga que nos levam pra longe do único momento possível de ser vivido: o Presente.

 

Isso me faz lembrar uma passagem do desenho infantil Kung Fu Panda. O mestre Oogway encontra Panda muito preocupado. E diz  Você está muito preocupado com o que foi ou o que será. Diz o ditado:  o ontem é historia, o amanhã é um mistério , mas o hoje é uma dádiva. É por isso que se chama Presente. E sai deixando Panda envolto em seus pensamentos.

 

Passamos o tempo dizendo que sabemos muita coisa (alguns se convencem até que sabem tudo): "eu sei que devo mudar", ou "eu sei que devo fazer as coisas de forma diferente", mas nos esquecemos de sentir. Existe uma grande diferença entre saber e sentir, entre sentir a dor e sofrer a dor. O saber intelectualiza, retira o afeto, dissocia.

 

O  sentir nos permite entrar em contato com nossas emoções, nossos sentimentos, escutar nosso corpo e nossa intuição. Não é um trabalho fácil,  mas é o único caminho para uma verdadeira mudança. É  olhar no espelho e ver-se sem maquiagem .  É  olhar a  si mesmo e reconhecer-se  frágil, com limites. É reconhecer a  finitude. É sentir-se humano.

 

E precisamos de ajuda nesse processo. Penso que essa ajuda e esse caminho deve ser percorrido com um par. Um par analítico, que nos ajude a percorrer nossos infernos, purgatórios e paraísos num passeio as vezes assustador, mas libertador.

 

Só arrumamos verdadeiramente uma casa, ou qualquer outra coisa, se desarrumarmos antes. E não é fácil suportar a desarrumação. Mas é a única forma possível  para  dar-se  conta de quanto espaço ocupamos com objetos  e  sentimentos com prazo de validade vencido.

 

 

Ana Rita Menezes da Silva de Pineyro

Psiquiatra,

Postulante a formação psicanalítica pela

Sociedade Psicanalítica do Recife.

anaritamenezessp@gmail.com

data de publicação: 21/07/2015

 

1 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 22/07/2015 às 05:42

Querida, MUITO QUERIDA autora deste artigo...... "Quem disse que a vida é fácil"? Simples com certeza ela é, mas fácil....." O dia fácil foi ontem" diz um lema de um grupo de elite da Marinha Militar dos Estados Unidos, que eu teve o privilegio de poder estar, mesmo só por 48horas...Depois precisaram de varias pessoas para recolher os meus pedaços do corpo espalhado..kkkkkkkkkkkkkkk Ouço sempre dizer " Time que ganha não se mexe".....E ao contrário, é necessário "mexer" e principalmente " mexer-se" para que "ordem e desordem " não fiquem iguais, isso seria a "morte", morte que é uma etapa da nossa vida, o importante é não ter "medo" dela, mas saber que, antes ou depois, chegará, pronto....E até lá, VIVER..!!!! O passado por mim é a Lembrança e o futuro é a Esperança" e tal citação está sendo trabalhada em uma música composta por um meu Amigo...Um autor italiano afirma que, se o passado não existe porque "foi" e o futuro não existe porque "será",como pode o presente existir entre duas coisas que " não existem "? Claro, o autor é originário das ciências exatas, mas amante da filosofia grega e nos proporciona com estas perguntas, aparentemente fúteis,mas extremamente importantes.... Bom, meu ponto de vista é que com muita frequência, nós ficamos nos perguntando algo...Até demais sem agir....Chega!!! Vamos perguntar menos e agir, "mexer-se" mais, tendo cuidado com os buracos nas calçadas...kkk..Mas bem venham os "buracos" para que possamos sentir dor, então saber que estamos vivos, e se não conseguimos parar para pensar, uma "fratura óssea" pode ser o sinal para iniciar a pensar, a observar ao nosso redor, sim com os mesmos olhos, mas com outra " visão".....Eu particularmente faço isso todos os dias, de uns anos atrás até hoje...E por hoje não quero dizer " hoje mesmo", mas até que estarei vivo. Parabenizo a autora, e lamento que ela não que seguir um caminho que vicia e como vicia...Lecionar....Certamente os " alunos" estão perdendo algo de um valor infinito....Você!! T.A.S.M.I.P.M.A........
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+