Em 12/05/2015
 

Nações unidas pela dor

Texto de Karine Golçalves para o Psiquo desta semana!


Nações unidas pela dor

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Nesta última semana, pudemos acompanhar a notícia de uma tragédia muito grave e impactante: o terremoto que atingiu mais de 8 milhões de pessoas no Nepal. Esse desastre acarretou em mortes, pessoas soterradas nos escombros, perdas do patrimônio histórico e necessidade em fugir daquela realidade. Os noticiários mostraram as dificuldades enfrentadas pelos nativos e turistas que visitavam o local, como por exemplo, falta de água, comida, higiene e locais de abrigo.

 

As imagens transmitidas na internet e telejornais demonstraram uma pequena parte dos obstáculos que todos eles estão enfrentando nessa situação. As rachaduras no chão se confundem com as marcas de dor nos rostos desse povo. Histórias foram interrompidas e momentos de dificuldade foram colocados no lugar.

 

Atualmente, vivemos em meio a guerras causadas pela natureza humana e catástrofes naturais, podemos até pensar num momento de desesperança no mundo, arrisco em dizer, desespero por esperança...

 

Porém, diante disso, um fenômeno interessante começou a chamar a minha atenção: os governos dos demais países enviando ajuda financeira e apoio para a reconstrução das cidades, as campanhas nas redes sociais, manifestações de ajuda, doações de roupas, mantimentos, produtos de higiene e o mais importante, acolhimento e esperança. A esperança que tanto precisam para continuarem lutando nessa realidade.

 

A palavra “esperança” pode nos lembrar ao ato de esperar, ser passivo, aguardar o momento certo para fazer e acontecer. Porém, pensando por outro ponto de vista, esperança pode ser trilhar o próprio caminho, percorrer e vislumbrar novos horizontes e possibilidades. Não podemos apenas existir, temos que ser e estar como somos, únicos e singulares. Pois, a esperança se busca, se cria em cada um e não espera.

 

Pode ser contraditória a ideia de buscar esperança num mundo atualmente marcado pelo vazio, desamparo, narcisismo e depressão, porém, acredito que de certa forma, é isso que acaba unindo as nações, essa necessidade de ser e estar. Poderia se pensar em egoísmo coletivo que une as pessoas pela dor.

 

E porque não nos unirmos pelo amor ao invés da dor?

 

 

Karine Silva Gonçalves

Psicóloga CRP-19/2704 e

Postulante à Formação Psicanalítica

karine.silvag@hotmail.com

data de publicação: 12/05/2015

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+