Em 28/04/2015
 

O melhor lugar do mundo é dentro de um abraço

“Não se abraça só o corpo, mas a pessoa”. Aldo Christiano fala desse reconfortante gesto de amor. Confiram!


O melhor lugar do mundo é dentro de um abraço

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Ontem estava indo para casa depois do consultório e ouvi no rádio do carro Jota Quest cantando “Dentro de um Abraço”.  Senti vontade de receber um.

 

O que se deve fazer com um abraço? Se já notaram o que acontece conosco quando recebemos um abraço, então o que se deve fazer é abraçar de volta.

 

O abraço oferece conforto. No nosso sistema neuroendrócino o abraço age no equilíbrio físico de 3 sistemas interligados intimamente. Abraço é íntimo. O primeiro, sistema límbico, que se situa dentro do sistema nervoso central se une ao sistema imunológico, o da defesa, e esses dois se abraçam ao terceiro, o endócrino, produtor dos nossos hormônios. Curiosamente o sistema límbico tem a forma de um anel...

 

As sensações e a proteção desses 3 sistemas diferentes que funcionam “como a engrenagem do relógio” são sentidos como um bem estar e são produzidos por um simples abraço. É no sistema límbico que sentimos as emoções, aprendemos, temos memória. É de lá também que vem o sono tranquilo, nossa temperatura corporal e a libido...ah, a libido!  E quando vemos aquele alimento suculento e lambemos os lábios, a sensação de quente ou frio, a visão.

 

 Não se abraça só o corpo, mas a pessoa. 

 

Mario Quintana escreveu:  - Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço...uma fita dando voltas. Enrosca-se mas não se embola, vira, revira, circula e pronto: está dado o laço. É assim que é o abraço: coração com coração, tudo cercado de braço… (do poema “Laços e abraços”).

 

Dentro de um abraço é sempre quente. Temos a sensação de não sermos tão sós e nos tornamos mais corajosos para enfrentar as asperezas do mundo.

 

Um cliente foi atendido por seu médico numa consulta de emergência.  Ao prescrever a medicação, o médico coloca sua mão esquerda em seu ombro direito e, com a mão direita livre escreveu a receita.  Ao retornar ao consultório o paciente relatou que aquele gesto foi como se tivesse recebido um abraço do médico e que teria sido o mais importante daquele encontro. Um ato involuntário e inconsciente do médico transmitiu aopaciente proteção, segurança, carinho e, naquele momento, porque não, uma cura.

 

Me lembrei de quando eu era criança e machuquei o joelho caindo do carrinho de rolimã.  Soluçando, tive no colo e no abraço da minha mãe o alivio da minha dor.

 

Um grande abraço a todos.


 

Aldo Christiano 

Médico,  Psicanalista em formação

christiano.aldo@hotmail.com

data de publicação: 28/04/2015

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+