Em 09/12/2014
 

Os três tempos

Em que tempo vivemos? Presente? Passado? Futuro? Aprofunde seus pensamentos como o texto de Kildare no Psiquo desta semana.


Os três tempos

 

Quer Imprimir ou aqrquivar? Clique aqui.

 

Há três tempos de vida: passado, presente e futuro, mas, na verdade, tudo é presente, mesmo que dele se queira ausente.

 

O passado é a lembrança e também o esquecimento.

 

De cada passado é composta uma bagagem, específica a cada indivíduo, que a traz, mesmo que não a queira, mesmo que a esconda, que a camufle ou dela não se recorde.

 

No presente vivemos uma aparência, consciente ou não, que nos é cômoda, confortável ou, simplesmente, suportável. Mas a bagagem passada continua presente e, mesmo que não percebida, ela continua sempre pulsante, viva, e quer ser consciente ou, pelo menos, aparente.

 

No seu intento de se mostrar, a bagagem aparece nos sonhos, nas falas incertas, nos enganos, nos gracejos e anedotas, nos detalhes mais insólitos, nos sofrimentos, nos medos e nas angústias, no temido querer e no querer temido. A bagagem tem formas de aparecer, e aparece, mesmo que não se queira, mesmo no “sem querer”, mesmo que se queira não querer.

 

E o futuro?

 

O futuro em si, na verdade, não é, e, apesar de tão presente, por ser constantemente lembrado, pensado, planejado, desejado e temido, não passa de uma tendência que vem de passado em passado e se inicia a cada presente, mas que não chega.

 

O futuro não é certo, mas também não é incerto. O futuro não é conhecido, mas também não é desconhecido. O futuro é um tempo que se quer presente, mesmo que não chegue. O futuro é um tempo que chega, mesmo que não se queira que chegue.

 

Alguns dizem, simplesmente, que o futuro é a morte. Outros, esperançosamente, que o futuro é a vida eterna. Outros, com tristeza, que no futuro, como prêmio pela longevidade, receberão a velhice com suas dores físicas e mágoas. Outros, com integridade, dirão que vivenciaram uma vida.

 

E cada indivíduo passa pelos três tempos, em um específico instante presente, e constrói a própria história como o ator principal no elenco da vida, em suas múltiplas inter-relações de amor e ódio, de vida e morte, de prazer e desprazer, mesmo que não o saiba, mesmo que saiba e não o queira, mesmo que o queira e não possa controlar, pois a bagagem do passado pulsa e nesse pulsar inconsciente está também o eu.

 

 

Carlos Kildare Santos Magalhães

Servidor público federal e estudante de psicologia da Pio Décimo.

Participante do Curso de Introdução ao Pensamento Psicanalítico na NPA

carloskildare@hotmail.com.

data de publicação: 09/12/2014

 

0 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+