Em 11/11/2014
 

Por favor, um cafezinho acompanhado de sentimentos!

“Não sei quem sou, logo tenho medo de ser aquilo que eu não quero ser”. Petruska Menezes faz ponderações sobre a dificuldade de estar só consigo. Confira!


Por favor, um cafezinho acompanhado de sentimentos!

 

Quer Imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

“Alô, a turma marcou para que horas mesmo? Às oito? Ok! Até!”. Oito horas no restaurante. “Onde estão todos?” Você se senta à mesa enorme reservada para os colegas e só está você. “O que se passa? Não marcaram à oito?” – você se pergunta. Parece um hábito comum em nosso país os atrasos aos encontros. E nas igrejas? Ai da noiva que não se atrasar! Se o casamento está marcado às sete e ela chega pontualmente, as primeiras fotos do álbum de casamento serão de uma igreja vazia ou com somente a metade dos convidados presentes. Os demais vão chegando aos poucos. Não sei se isso ocorre em outros países, mas, pelo que observo, parece que se tornou um hábito cultural e me pergunto o que isso pode significar.

 

O fato de sermos uma espécie de grupo nos coloca numa condição interessante. Parece difícil suportar estar sós com nós mesmos. Então, o jeito é atrasar para não ter que ficar esperando pelos outros e suportar ficar em nossa própria companhia. Esperar, nos dias de hoje, é uma missão quase impossível, pois o clichê frequentemente ouvido é que “tempo é dinheiro”. Doce ilusão para uma fuga da possibilidade única de fazer um lindo mergulho pelas camadas mais profundas do ser.

 

O encontro de cada um consigo mesmo, no início, é possivelmente um encontro difícil, por ser ansiogênico em essência. Não sei quem sou, logo tenho medo de ser aquilo que eu não quero ser. Medo de notar e sentir dores, insegurança, desconhecimento e, consequentemente, me permitir experimentar os prazeres também. O medo de chegar a um lugar que não conheço ou não encontrar ninguém me dá a oportunidade de ter que lidar comigo. De ter que conversar comigo mesmo e aprender a esperar.

 

Mas essa possibilidade está cada dia mais difícil. A primeira coisa que se faz quando se chega a um lugar e não se encontra ninguém é pegar o celular para conversar com “alguém”. Conversar com alguém ou vasculhar as redes sociais é uma excelente forma de nos ignorar. Mas, mesmo sendo seres potencialmente sociais, também somos pessoas únicas, com sentimentos e emoções. Sentimentos que precisam ser sentidos, vividos, construídos. Emoções que pontuam e dão significado à vida. Caso ainda não tenham percebido, só absorvemos aquilo que é vivido, aquilo a que atribuímos significado – pelo que sentimos, pelo envolvimento e troca afetiva que surgem em nossas vivências. O aprendizado se dá pelo sentido, Paulo Freire já dizia. Se o que não conheço não tem significado, torna-se, portanto, indiferente para mim.

 

Mas essa construção de dar e receber precisa ser feita primeiramente de mim para mim mesmo. Os primeiros significados e emoções surgem do meu corpo e das sensações e percepções que vivo. Quando esse contato comigo mesmo é desprezado, as relações com os demais ficam falhas, tortas, desmedidas. A medida que é o parâmetro para as demais é a minha comigo. Mas, quando é que eu poderei me encontrar se não tenho tempo para mim? O medo de me conhecer e ver que eu não sou aquela pessoa bondosa, generosa, caridosa e cuidadosa que almejava ser – mas que carrego dentro de mim, de alguma forma, inveja, ódio, ansiedade e insegurança – me assusta, pois quem garante o que eu posso e vou fazer com isso? Conter esses sentimentos e sensações parece difícil, então preciso ignorá-los. Fingir que não é comigo, pois enfrentar pedirá coragem, tempo, determinação, paciência e resiliência diante da dor e do futuro desconhecido. Mas existe outra forma de crescer? Existe outra forma de aprender? A opção passa a ser amadurecer ou permanecer regredido. É hora de repensar a possibilidade de se encontrar.

 

Diante disso, acho que vou marcar um encontro comigo mesma. Vou marcar na cafeteria de uma livraria nova. Conhecerei a livraria e me conhecerei junto. Ao chegar, quando a garçonete me perguntar se estou esperando alguém e o que quero pedir, responderei: “Quero um cafezinho acompanhado de sentimentos, pois marquei um encontro comigo mesma e já está sendo muito bom “conversar-me” a respeito. Bom dia!”.

 

Petruska Passos Menezes

Psicóloga CRP19/636,

Psicanalista em Formação pelo NPA/SPRPE

petruska@ymail.com

data de publicação: 11/11/2014

 

 

3 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Ana Rita em 12/11/2014 às 04:00

Muito bom Pê. Precisamos reservar um espaço na agenda pra uma pessoa muito importante: nós mesmos. Perfeito! Amei o texto!
postado por Helena Sa em 12/11/2014 às 18:37

Tambem adorei Petruska! Vou compqrtilhar! Rss Brincadeira. Ler é uma boa forma de estarmos com nós mesmos! E nada melhor que uma livraria e um cafezinho para ficar bem tanto ao que vai surgir!
postado por carlos vieira em 17/11/2014 às 07:24

Belo texto Petruska, esse povo está sempre escondendo a face poética e prosaica, parabéns. Aguarde minha Coluna dessa semana e publique, divulgue para o brasil e o mundo. Não vamos desistir!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+