Em 19/08/2014
 

Dor sentida e dor sofrida

Existe uma dor necessária aos crescimento (a dor sofrida) e outra a dor somente sentida. Você já parou para pensar nisso? Confira o que Petruska Menezes fala a esse respeito.


Dor sentida e dor sofrida.

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Tem dor que é sentida: começa na pontinha do cabelo, desce pelo fiozinho, chega ao coração e lá se enrola tanto que chega a apertá-lo. Tem dor que é sofrida, que se aprofunda nas entranhas e se estabelece em um escuro e vazio dentro da gente, mas que traz com ela o peso do amadurecimento e da sabedoria. Uma dor sentida é desnecessária, é símbolo de uma inflexibilidade que insiste em se fazer presente só para machucar, porque a teimosia não permite ver o mundo como ele é, mas como se quer que seja. A dor sofrida parece um álbum de fotografia. Guarda grandes momentos e pessoas que não existem mais, mas, como no álbum, basta que se folheiem as páginas para que as lembranças voltem e a saudade fique no ar como um perfume doce e forte.

 

Pois é, existe diferença entre dor sentida e dor sofrida. Hoje, muita gente sofre de dor sentida. É uma dor que vem do nada, que corrói a alma, tira o prazer da vida, escurece a luz do dia e embriaga o sono. Essa dor sentida é só sentida, não ensina, não acrescenta. A sensação é justamente o contrário: a de que a vida se esvai pelo ralo por conta de um banho frio e longo numa manhã de inverno. É como se dentro do peito todo o ódio se escondesse, mas tão bem escondido que não dá pra ver. Ódio de não ser como se quer ser, não ter o que se quer ter. Mas ele fica tão escondido que é impossível descobrir que ele está lá. Como ele não se esconde sozinho, leva com ele a esperança e os sentimentos bons. Essa dor sentida só pode ser curada com o tempo e com uma jornada interna pela floresta negra desconhecida que existe em todos nós, em busca desses sentimentos escondidos: os maus e os bons, os de ódio e os de amor. É um mergulho no oceano mais profundo, aonde a luz externa não chega e que somente nós podemos iluminar.

 

Mas, se estamos dispostos a mergulhar nessa dor sentida e ultrapassá-la até chegar ao que sentimos, desconstruindo todos os julgamentos de valor e de certo e de errado, chegaremos ao pulsar inerente à vida e, junto com ele, ao que nos faz sentir tristeza, alegria, amor, ódio, felicidade, inveja e a tudo que faz parte da alma humana. E, a partir do que sentimos, poderemos construir novos caminhos, pontes, estradas, que darão fluidez a esse ódio guardado até então. Quando o ódio encontrar seu caminho, os outros sentimentos também o encontrarão e o rio da vida voltará a correr com todos os sentimentos presentes. A dor sentida perderá força, pois era alimentada por esse ódio. A vida ganha novo brilho e até dá espaço para a dor sofrida.

 

A dor sofrida é uma dor necessária à vida. É a dor do parto, do crescimento, do amadurecimento e também do luto. A dor sofrida é igual à provocada pelo corte feito em um carocinho infeccionado para retirar o que tem de ruim e deixar o corpo fazer o trabalho de recuperação de forma mais rápida e saudável. Por ser sofrida, também pede tempo, mas é a dor que acrescenta algo. É como se a gente pudesse pegar uma imagem de tudo o que está do lado de fora e que faz falta e guardar um pouquinho dentro da gente (o álbum de fotografia). Dentro da gente, do vazio, abre-se espaço para a plenitude e, quando a dor sofrida passa, há todo um novo universo girando internamente. Houve outro “big bang” e o mundo interno se expande. Não é uma dor ruim de todo. É uma dor, mas importante porque ensina a suportar e a tolerar o que não é possível, o que não é real. É uma dor que, por incrível que pareça, estimula a criatividade e a fantasia como recursos adicionais à, muitas vezes, cruel realidade.

 

Da próxima vez que tiver com uma dor lá no fundo da alma, pergunte-se: é uma dor sentida ou uma dor sofrida? Se concluir que é uma dor sentida, por que é que vai continuar a senti-la? Pense se vale a pena. Se é uma dor sofrida, entenda que está na hora de crescer mais um pouco, de transformar, e aproveite a oportunidade para isso. Quando é uma ou quando é outra? Só você poderá descobrir.


 

 

 

Petruska Passos Menezes

Psicóloga CRP19/636,

Psicanalista em Formação pelo NPA/SPRPE

petruska@ymail.com

data de publicação: 19/08/2014

2 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Sergio Buonamassa em 19/08/2014 às 06:54

Prezada dra. Petruska, DOR....Costumo dizer que isso é um privilégio dos vivos. Nunca temos testemunha de um "morto" queixar-se de "dor" de qualquer natureza. Podemos dizer que tem muita gente "viva" que é "morta por dentro" e que não se da conta disso....Mas isso é outro assunto. DOR, repito, de qualquer natureza ela seja, a imagino como um obstáculo, uma barreira, e no esporte, um mundo muito bom onde cresce-se como pessoa, um obstáculo ou barreira que seja, não se supera, mas PASSA-SE. E acredito que todos nós somos chamados, enquanto vivos, a PASSAR para varias "dores" para que possamos tornar-nos pessoas melhores de antes....Pelo menos esta está sendo a minha experiência e aqui a relato. Não posso afirmar se a terapia possa ajudar, sei que cada um de nós tem recursos dentro de si e cabe a cada um de nós, busca-los e "passar adiante".......Claro, sempre que a pessoa envolvida queira isso...Caso contrário, irei respeitar o que a tal pessoa decidir fazer da própria vida, espero, sem atrapalhar as dos outros!!!!!!!!! E acredito muito na AMIZADE, este recurso externo que sem julgar, sem sancionar, sem dizer o que é certo ou errado, certamente ajuda. Parabéns pelo assunto e pela clareza e objetividade no seu escrito. Cordialmente. Sergio Buonamassa
postado por aparecida castro spinelli em 22/01/2016 às 08:11

faz,trinta anos que eu estou sofrendo no meu corpo com doençase dor na minha alma,por um homen que metrata mal mefere de tudo jeito,elê meaça ,me maltrata o meu sentimentos,eu nâo tenho mais vontade mais de nada,nem de comer,faz tempo, eu sou uma pessoa muito triste e tenho muitas dor++++obrigada bjs.
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+