Em 08/07/2014
 

DAVID E. ZIMERMAN - Algumas Palavras

Nosso Psicanálise e Quotidiano de hoje faz uma homenagem coletiva a David Zimerman, falecido no dia 04 de julho deste ano. Todos os membros que tiveram algum contato com o querido professor não se omitiram e, assim, seguem os frutos de nossos encontros.






DAVID E. ZIMERMAN Algumas Palavras

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui.

 

Adalberto Goulart

 

Tão difícil escrever neste momento, tão mais difícil ainda escrever sobre tão querido amigo, mestre antes de qualquer coisa. Difícil a concisão quando se tem tanto a dizer. Mas não poderia deixar de homenageá-lo, ainda uma vez, nosso querido David Epelbaum Zimerman. Sim porque, desde sempre, aprendi com seus ensinamentos que alcançava nos livros e revistas especializadas. Teoria, técnica, clínica, claro. Mas o mais importante mesmo eu vislumbrava, entrelinhas, em seus textos, o caráter afetuosamente humano.

 

“Davizinho” o chamam carinhosamente. Entendia que o diminutivo deveria ser para que o identificassem melhor em relação ao seu homônimo mais antigo. Era mais do que isso. Era a serenidade e a amorosidade que o azul suave de seus olhos, iluminado sempre pelo seu sorriso simples, transmitiam. E entendi que sábio não é aquele que traz a superioridade no olhar, mas aquele que sem palavras nos acolhe e nos transmite a placidez da experiência de quem já passou por onde passamos. Que nos encontra com o humilde e genuíno interesse em saber e aprender sobre como passamos.

 

Conheci David pessoalmente há tempos, em encontros fortuitos de Congressos e Jornadas, mas apenas em 2004 pudemos conviver por alguns dias em uma Jornada de Psicanálise em Aracaju, depois novamente em 2011, além de outros tantos encontros menores. Então pude compreender a generosidade deste homem para muito além das entrelinhas.

 

Tornamo-nos amigos, como amigos devem ser. Não importa o tempo e a distância, quando nos encontramos é sempre como se tivéssemos nos encontrado no dia anterior. Suavemente.

 

Assim é David E. Zimerman para mim (sim, é, no presente, porque sempre estará presente), a sábia humildade, cuja presença me acompanha desde então e eu, um privilegiado por tê-lo conhecido, o que renovou as minhas esperanças de que a humanidade pode sim ser viável.

 

Manifesto o meu, o nosso mais profundo pesar e o nosso abraço mais afetuoso à sua querida esposa Guite, aos seus filhos, familiares, aos seus amigos, alunos, colegas...

 

 

Adalberto Goulart

Presidente do NPA

 Membro Efetivo e Analista Didata IPA -   NPA/SPRPE

adalbertogoulart@uol.com.br

 

 

 

Aldo Christiano

 

Todos nós que temos e vivemos de alguma forma a psicanálise sentimos repentinamente a dor da ausência do Dr. David E. Zimerman falecido no dia 04 de julho de 2014.

 

Médico desde 1954 realizou formação psicanalítica no Instituto da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre da qual se tornou membro associado em 1976, efetivo em 1987 e didata em 1990. Com a escrita clara e envolvente como lhe era peculiar, transmitiu a nós, generosamente, as suas experiências em inúmeros trabalhos e livros, comunicando a psicanálise com intensidade e intimidade, estimulando-nos a refletir e a querer saber mais.

 

Todos nós que o conhecemos pessoalmente sentimos o conteúdo de um ser humano rico em amorosidade e franqueza.  A lembrança de sua vida e a inestimável contribuição científica que o Dr. David E. Zimerman prestou à psicanálise em nosso país o fará presente sempre, como as “Rosas Silvestres” escritas pela Clarice Lispector que mesmo depois de morrerem elas continuam perfumando um perfume adocicado e inesquecível.

 

Todos nós que o conhecemos, que temos e vivemos de alguma forma a psicanálise na nossa vida lhe somos gratos.

 

 

Aldo Christiano

Diretor Administrativo do NPA

 Analista em formação IPA -   NPA/SPRPE

christiano.aldo@hotmail.com

 

 

 

Ana Rita Menezes da Silva de Pineyro

 

Especial, afetuoso, acolhedor. Esse era o David Zimerman para mim.

 

Tive o prazer de conhece-lo pessoalmente em novembro de 2011 quando coordenei uma mesa de discussão de caso clinico na XI Jornada de Psicanálise de Aracaju, organizado pelo Núcleo Psicanalítico de Aracaju. Zimerman era o debatedor.

 

Me encantei com a maneira ¨simples ¨e didática com a qual ele traduzia temas tão complexos. No jantar de encerramento da Jornada me acerquei para trocar ideias, ¨beber ¨ um pouco mais daquela ¨fonte¨ chamada David Zimerman. Ao final da conversa ele me olhou e disse: ¨que estas esperando para iniciar a formação? Estás pronta...¨ Sorri, desconversei e lhe respondi que estava me organizando.

 

Trocamos endereços eletrônicos e a partir daí iniciamos uma troca de e-mails, sempre muito afetuosos. Ele sempre me perguntava sobre a formação e eu lhe prometi que quando eu iniciasse a formação ele seria o primeiro a saber.  Disse a ele que o considerava ¨meu padrinho¨.

 

Em outubro de 2013 lhe enviei um e-mail contando a novidade. Já havia sido autorizada a iniciar a análise didática e iniciaria os seminários teóricos em 2014. Foi dada a largada, lhe escrevi.

 

Não obtive resposta, me pareceu estranho, ele sempre respondia... Mas talvez estivesse atarefado escrevendo um novo livro...

 

Hoje recebo a notícia do seu falecimento e, triste, desejo do fundo do meu coração que ele tenha lido o último e-mail que lhe enviei.

 

 

Ana Rita Menezes da Silva de Pineyro

Analista em Formação IPA -   NPA/SPRPE

anaritamenezessp@gmail.com

 

 

 

 

Carlos de Almeida Vieira

 

A Psicanálise Brasileira perde um de seus ícones. David sempre foi uma pessoa generosa, carinhosa e muito dedicada à Psicanálise. Entre alguns psicanalistas do Brasil, David dedicou uma grande parte dos seus escritos sobre questões teóricas e técnicas do saber analítico. Estudioso da obra de W. R. Bion, ele nos deixa um percurso longo em suas obras, no sentido de pensar, esclarecer, desenvolver e o mais importante, ofertar aos psicanalistas, estudiosos da psicanálise e leigos afins, de uma maneira didática a complexidade da obre de Bion, às vezes difícil e escrita de uma maneira peculiar. David enfim, deixa uma obra extensa que auxilia, ajuda e divulga uma psicanálise mais atual, principalmente no que toca às ideias de Bion.

 

Como pessoa, ele sempre foi muito acolhedor, generoso, aceitando sempre convites para participar de eventos, inclusive por mais de uma vez aqui em Aracajú, em nossas Jornadas.

 

Os homens morrem, ficam as ideias. Parafraseando Guimarães Rosa, quando o homem morre, não morre, se encanta. Teremos sempre dentro de nós a saudade, lembrança e nossa eterna gratidão.

 

 

Carlos de Almeida Vieira

Coordenador da Formação Psicanalítica - NPA

 Membro Efetivo e Analista Didata IPA -   NPA/SPRPE/SPB

Vieira041144@gmail.com

 

 

 

 

Petruska Passos Menezes

 

“Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha, porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso. ” Charles Chaplin

 

 

Ninguém sai ileso de um encontro com David Zimerman. Encontrar-se com Zimerman é a possibilidade de fazer um mergulho nas profundezas do imenso oceano da humanidade. É voar entre as nuvens e desbravar a caverna mais escura sem medo. Nos encontros com o professor, ele nos dava a mão, como a uma criança, e seguiam os dois juntos, em uma linda valsa pelo desconhecido, embalada por suas palavras repletas de amor e devoção. Palavras sedimentadas em seus livros claros e objetivos ou em suas agradáveis palestras, em uma harmonia sinfônica de ideias que nos fazem tirar os pés do chão e sonhar pelo grande universo que é a psique humana.

 

Não haveria palavra melhor do que amigo para descrever nosso professor. Uma pessoa com um olhar compreensivo, uma paciência transformadora e que parece nos compreender quando fala. Alguém com tanta capacidade de doar-se não pode ser considerada menos que um amigo.

 

Com sua extensa publicação, mas antes mesmo de qualquer palavra escrita, o professor nos ensinou a fazer psicanálise pelo amor. Sentir, ouvir, prestar atenção, se entregar, amar. É isso que retiramos como principais ensinamentos de sua obra e da convivência com ele. Enquanto sua saúde lhe permitiu, sempre esteve disposto a ajudar e a viajar para os eventos sem exigir nada em troca, a não ser a companhia de sua amada Guite, e assim o fez em Aracaju. Um homem que trazia consigo a humildade e a paciência, sempre disposto a esclarecer uma dúvida, assinar um livro ou bater um papo.

 

 A mudança é a única certeza da vida, aquilo por que todos passamos. É pelo processo de contínua mudança que nos lançamos em análise. As experiências que trazemos são as únicas justificativas para a vida. Nosso mestre, assim, deu continuidade a seu processo de mudança. A morte, traço comum a todo ser que vive, torna presente a finitude para os homens, mas imortaliza aquele que viveu e distribuiu o amor, doce que transforma a dureza da realidade em sonho possível de ser vivido.

 

Meu amigo, obrigada pelo privilégio de conhecê-lo. Morre o homem em sua humildade e afeto e nasce o ídolo que certamente levará muitas pessoas (talvez muitas que ainda nem nasceram) aos caminhos da psicanálise e da formação analítica, seguindo seu exemplo e seu amor ao próximo, que ficam eternizados em seus livros e através daqueles que tiveram a honra de conviver com você.

 

 

 

Petruska Passos Menezes

Diretora Científica e Financeira do NPA

Psicanalista em Formação IPA - NPA/SPRPE

petruska@ymail.com

2 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Helena Pinho de Sá em 08/07/2014 às 08:26

Sou uma daquelas fisgadas pelo encanto de David Zimermman. Entrar no mundo da Psicanalise é, entre outras maravilhas, conhecer pessoas como ele, especialmente, David porque ele expressa, ainda hoje, a força da Psicanalise, principalmente, por sua imensa doçura e amorosidade com que lidava com o assunto. Com esses fermentos afetivos, produziu livros deliciosos de ler sobre assuntos muitas vezes indigestos desse campo do conhecimento e que, dessa forma, perpetuam sua singeleza e delicadeza no lidar com o outro. Quem o conheceu pessoalmente sente-se à vontade de chamá-lo pelo primeiro nome! Acredito que ele sabia que era especial e que, por isso, trabalhou duro para levar suas idéias para vários cantos do Brasil e do mundo com afinco. Eu o conheci pessoalmente em um simpósio da Sociedade de Psicanalise de Ribeirão Preto quando já terminara minha residência de Psiquiatria e me inclinava pela formação em Psicanálise. Acredito que fui influenciada por sua serenidade, humildade, doçura, suas palavras ditas e escritas para estar fazendo a formação em Psicanalise hoje nesse Núcleo, porque, como disse Adalberto, ele faz a gente acreditar mais na humanidade, nos dá conselhos como um avô, como lembra Ana, perfuma o ar, como suscita Aldo, traduz as dificuldades teóricas, como cita Carlos Vieira, e nos inspira para sermos melhores como fala Petruska. E posso dizer por mim mesmo que ele está bem vivo! Descanse em paz David que seu trabalho esta sendo levado adiante por muitos de nós que carregamos suas sementes, pois elas dão muitos frutos!
postado por Idete Zimerman Bizzi em 13/07/2014 às 21:38

Queridos amigos de Aracaju, É com grande emoção que escrevo essas palavras, colocando em meus ombros uma grande, e talvez demasiada responsabilidade: agradecer pela linda homenagem que vocês fazem a meu pai, David Epelbaum Zimerman. Como filha, quero deixar registrado o quão grata me sinto, por olhar ao redor, e receber essa onda de afeto tão genuíno, que me aquece a alma, e faz meu pai viver, ainda, e sempre. Cada palavra fez sentido, e calou fundo dentro de mim. Fecho os olhos e vejo o olhar querido de meu pai, o equilíbrio e paz instantâneos que ele transmitia, e o convite ao passeio pela alma, tão natural, tão promissor que era estar ao lado dele. Acho que eu vi isso no desenho que vocês hoje fizeram dele. Um desenho lindo, e, para mim, muito verdadeiro. Talvez essa seja a maior contribuição que eu possa dar agora, quando meu pai se vai, e deixa tanta saudade: salientar a coerência dele, que foi pai para tantos. Da porta para dentro, ou da porta para fora, meu pai era o mesmo. Trazia toda sua curiosidade, leituras, escritos, reflexões para dentro de casa. E levava o homem, o ser humano para dentro do consultório. Há muito tempo, percebi que ele se sentia pleno. A vida lhe deu muito mais do que ele poderia querer, certa vez ele me confidenciou. Mas se ele estivesse aqui, eu gostaria, ainda, de dizer mais uma coisinha, olhando para ele: “pai, a vida foi generosa contigo porque tu foste generoso com ela”. Queridos amigos, vocês hoje estão sendo muito generosos. As palavras de vocês ecoam aqui, e soam lindamente. Só posso desejar que as sementes que o pai plantou, seja como professor, seja como modelo, dêem frutos... que dêem frutos... que dêem frutos... Como a espiral de Bion. Com muito carinho e gratidão. Idete Zimerman Bizzi
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+