Em 18/03/2014
 

Saudade

Você já sentiu saudade? Petruska Menezes utiliza da canção do Rei do Baião para falar sobre o que é a saudade. Confira!


Saudade

 

Quer imprimir ou arquivar? Clique aqui

 

Lembrando-me da linda canção “Qui nem jiló”, do inesquecível Luiz Gonzaga, percebo como o poeta revela conhecimento da alma humana ao explicar a saudade – de forma intuitiva, mas ao mesmo tempo tão plena, entregue e profunda: “Se a gente lembra só por lembrar / o amor que a gente um dia perdeu / saudade inté que assim é bom / pro cabra se convencer / que é feliz sem saber / pois não sofreu / porém se a gente vive a sonhar / com alguém que se deseja rever / saudade, entonce, aí é ruim / eu tiro isso por mim / que vivo doido a sofrer”.

 

Gonzaga fala ao povo de uma forma clara e simples como acontece a saudade. Em outras palavras, a saudade é a presença na ausência. Ter saudade é lembrar-se de alguém ou de algo que não está presente e, mesmo assim, se sentir pleno. É como se a lembrança nos envolvesse e nos preenchesse temporariamente, já que não temos nosso bem ao nosso lado. Esse tipo de saudade serve “pro cabra se convencer / que é feliz sem saber / pois não sofreu”. Porém, se a pessoa de quem sentimos saudade não está afetivamente instalada dentro de nós, a saudade dá espaço unicamente para o sentimento de falta que corrói e nos traz a sensação de vazio.

 

Na Psicanálise, usamos a palavra “internalizar” para nos referirmos à capacidade de trazer pra dentro de nós representações daquilo que está ao nosso redor e que nos é importante: uma lembrança de algo ou alguém a quem dedicamos tempo e investimento afetivo. Para se ter saudade, é necessário internalizar essa coisa ou pessoa de quem gostamos e com quem construímos laços “pra pertinho do coração”. A saudade é uma lembrança leve, doce e serena de tempos, momentos e pessoas que nos fizeram nos sentir bem.

 

Quando “se vive a sonhar” e a lembrança não está plenamente guardada, abre-se um espaço, um vazio que necessita ser preenchido. O próprio Gonzaga diz como esse sentimento dói e mostra uma forma de ajudar a suportá-lo: ai quem me dera voltar / pros braços do meu xodó / saudade assim faz roer / e amarga qui nem jiló / mas ninguém pode dizer / que me viu triste a chorar / saudade, o meu remédio é cantar.

 

Quando a ausência é sentida tão intensamente que dói e amarga, preencher essa falta com arte, com música, é uma forma de preencher o vazio, dando ao nosso “coração” um lindo tipo de carinho e afago, para que, por mais um tempo, ele suporte esse momento de afastamento e quiçá possa continuar o seu caminho mesmo sem aquilo que está fazendo falta. Que tal cantar da próxima vez que sentir saudade?

 

 

Petruska Passos Menezes

Psicóloga CRP19/636,

Psicanalista em Formação pelo NPA/SPRPE

petruska@ymail.com

data de publicação: 18/03/2014

 

3 comentário(s) | Envie seu comentário
Envie seu comentário
Seu nome *

Seu e-mail *
Seu comentário *
Comentário(s)
postado por Aline em 18/03/2014 às 09:08

Adorei! Adoro ler os artigos de vocês. Simples, diretos mas sem perder a essência da psicanálise. Parabéns!
postado por Ana Rita em 18/03/2014 às 13:10

Lindo P. Adorei !
postado por Sergio Buonamassa em 19/03/2014 às 13:02

Prezada Autora, "Quem canta, todo o mal espanta"...Diz mais um ditado popular brasileiro. Sim, pode ser que quando "bate aquela saudade", um alivio possa ser dado, cantando....Não sei dizer se funcionará, mas vale a pena tentar....Não custa nada, então... SAUDADE: palavra tipicamente brasileira, sem nenhuma possibilidade de tradução em qualquer outro idioma. Um amigo, um dia, tentando explicar-me o que é "Saudade", disse: -< Saudade não é algo que se tem, mas que se sente>. Obvio que "sentir" não no sentido de "ouvir, escutar", mas de "sentir dentro"...Seja de uma pessoa, de um objeto, de um momento, de uma historia, etc. Sentimos Saudade. E quem como eu, "quase brasileiro" não por sangue, mas por afinidade com este Pais, sei bem o que significa isso; aprendi aqui. Parabenizo a autora pela maneira clara e simples de explicar algo, muitas vezes, bem complicado. Com Saudade......Sergio Buonamassa
 

Leia também

A garotinha que conheceu o mar 04/05/2017

A partir de cenas do cotidiano, Ana Rita Menezes se aproxima do pensamento de Bion

Ponyo e o olhar psicanalítico pela janela da amizade 28/03/2017

O filme Ponyo será discutido durante o projeto Psicanálise & Cinema do NPA no dia 30 de Março.

Akira Kurosawa, uma personalidade complexa e nem sempre compreendida 22/02/2017

No dia 23/02, às 19h30 no Auditório do Centro Médico Luiz Cunha, Yusaku Soussumi comenta o filme Madadayo

Em defesa de uma confiabilidade ambiental mínima 07/02/2017

Fábio Brodacz reflete sobre a exposição infantil em tempos de compartilhamentos constantes

Um herói, por favor! 16/12/2016

A psicanalista Idete Zimerman Bizzi questiona os simulacros que povoam o mundo virtual

Prematuridade e algumas nuances 24/11/2016

Denise Alencar fala sobre os desafios de uma gestação prematura
Página anterior Voltar
Topo Topo
 
 
Google+